quinta-feira, 21 de julho de 2011

Trabalhar, retirar leite, estocar e trazer para a casa, isso é possível com apoio da empresa.


O ministério da saúde lança uma campanha que estimula empresários a apoiar o aleitamento materno na medida em que as mulheres voltam a trabalhar aos 6 meses e desejam manter o aleitamento materno até seu bebê completar dois anos de idade.
O primeiro estágio desse processo de apoio do empresário é aumentar a licença maternidade de 4 meses para 6 meses, pois o ministério da saúde preconiza aleitamento materno exclusivo até o 6º mês. E as mulheres que voltam a trabalhar com 4 meses pós-parto, acabam desmamando gradativamente seus filhos.  O governo cria um programa denominado empresa cidadã, que provê incentivo fiscal para as empresas do setor privado.
Diz o o governo sobre o assunto acima:

“No âmbito Federal o projeto de lei (PL 2.513/07) que criava o Programa Empresa Cidadã, foi convertido na Lei 11.770 de 09 de setembro de 2008, aprovada pelo Presidente da República, a qual prevê incentivo fiscal para as empresas do setor privado que aderirem à prorrogação da licença maternidade de 120 dias para 180 dias.
Dados da Sociedade Brasileira de Pediatria apontam que a amamentação regular, por seis meses, reduz 17 vezes as chances de a criança contrair pneumonia, 5,4 vezes a possibilidade de anemia e 2,5 vezes a ameaça de crises de diarréia.
 Conforme estabelece a nova lei, as empregadas das empresas privadas que aderirem ao Programa – inclusive as mães adotivas (de forma proporcional) – terão o direito de requerer a ampliação do benefício, devendo fazê-lo até o final do primeiro mês após o parto.
 Já para o empregador que aderir voluntariamente ao Programa, mediante requerimento dirigido à Secretaria da Receita Federal do Brasil, este benefício será estendido automaticamente à todas as empregadas da empresa. Neste caso, não há necessidade de a empregada fazer o requerimento.
 A lei prevê que durante a prorrogação da licença-maternidade a empregada terá direito à remuneração integral. Os dois meses adicionais de licença serão concedidos imediatamente após o período de 120 dias previsto na Constituição.
 No período de prorrogação da licença a empregada não poderá exercer qualquer atividade remunerada e a criança não poderá ser mantida em creche ou organização similar, já que tais situações estariam contra o objetivo do programa.”
O segundo estágio desse processo é a sala de amamentação que aliada a licença maternidade de seis meses, auxilia a manutenção da amamentação até os 2 anos ou mais.
As salas de amamentação são espaços em que a mulher durante seu horário de trabalho, encontra um espaço de acolhimento para retirar leite, armazenar na geladeira e no final do expediente e pode levar para casa o leite que foi estacado durante o seu dia de trabalho.
Essas medidas conferem a mulher a garantia de manter a amamentação até os dois anos, porque?
1º – Ela mantém aleitamento materno exclusivo até o 6º mês.
2º – Com 6 meses o bebê já inicia a alimentação complementar e ela pode trabalhar sem grandes danos para o crescimento ponderal do seu filho.
3º – A mulher consegue manter a produção, pois a retirada frequente no ambiente de trabalho mantém a quantidade de leite elevada.
4º- O bebê continua usando o leite da mãe quando ela não está em casa, pois todo leite retirado no trbalho é levado para casa e o bebê pode tomar mesmo na sua ausência.
Se por um acaso a oferta de leite for maior que a necessidade do bebê que está em casa, a mulher pode entrar em contato com o banco de leite mais próximo do trabalho, ou da sua casa e doar o leite.

As salas de amamentação são simples, de custo baixo e de fácil instalação. O MS utiliza parâmetros definidos na RDC nº 171/2006, que ressalta o seguinte: dimensionamento: 1,5m² por cadeira de coleta, instalação de um ponto de água fria e lavatório, para atender aos cuidados de higiene das mãos e das mamas na coleta, freezer e termômetro para o monitoramento diário da temperatura.
O espaço é simples e o objetivo do espaço é primoroso para a saúde das crianças.
Maoires Informações podem ser alcançadas na Nota Técnica Conjunta do MS e ANVISA, baixe aqui

por: Fabiola Costa – fonoaudiologa e Doula

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MundoBrasileiro