quarta-feira, 23 de maio de 2012

Postagem coletiva: Criação com apego, mais amor menos preconceito!





Nossa contar como é minha vida depois que me tornei mãe, de uma forma inesperada aproposito, vai ser difícil! São tantas experiências, lagrimas, sorrisos, carinho, tetão gostoso...mas vou tentar ser breve, rsrsrsrs. Sou mãe de duas crianças lindas. O Bernardo, nascido de cesárea e amamentado até quando ELE quis, até 2 anos e 4 meses. E da Sofia, nascida de parto normal hospitalar, e que ainda mama, ela  esta com 2 anos e 4 meses.


Quando meu primeiro filho nasceu, passei por muitas dificuldades devido a uma Depressão Pós Parto. Foram alguns meses não querendo cuidar de meu filho, sendo tomada por um sentimento horroroso, insano... Mas o que me "salvou" neste período foi a amamentação, que diga se de passagem foi muito difícil no 1º mês. Quando pegava meu filho, a cada hora, para amamentar voltava a mim, ficava sã novamente. Neste momento percebi que não só ele precisava desse colo, como eu também precisava. Depois que superamos essa DPP me vi uma Super Mãe!! Eu instintivamente sabia tudo que meu filho precisava e não precisava. Tinha algumas informações sim. Lia e leio muito. Mas era o meu instinto materno que falava mais alto.


Recebi varias dicas de como criar meu filho..."deixa chorar, não dá colo, dá uma mamadeira para  tu descansar, amamenta a cada 3 horas, não mima!". Aff!! Quando ouvia este tipo de coisa ficava louca. Até tentei por 2 dias o "deixa chorar", mas para que??? Para meu filho perceber que esta sendo ignorando pela própria mãe? NÃO! Me neguei a acreditar que isso, essa distancia entre nós, era o melhor. Sem saber do método da Cama compartilhada, comecei a pratica- la com meu filho (instintivamente). Foi maravilhoso, com noites tranquilas, de descanso  para toda família.


Criei (e crio) meu primeiro filho totalmente o contrário do que a sociedade acha melhor! Dava muito colo, muitos beijos, cheiros, brincava de montão, Bê mamava a vontade. E creio  que foi essa criação com apego, que facilitou a nossa vida em muitas etapas. Bê saiu com 2 anos e 4 meses das fraldas, decidiu parar de mamar nesta mesma época, pediu com 2 anos para dormir na própria cama. Todos estes "mimos" fizeram meu filho ser confiante e destemido para enfrentar cada etapa, cada mudança da vida dele.


Quando minha filha nasceu, já tinha muito mais informação do que com o Bê. Sabia que tudo que havia feito (instintivamente) com o 1º filho tinha base, estudos que mostravam quão 'acertiva' estava. Com a Fifi ainda pude me beneficiar do sling, das fraldas de pano....


Hoje os 2 vão em escola normal. Sofia no jardim e Bernardo na pré escola. A adaptação deles foi difícil, mas não deixei-os sozinhos até que criassem um vinculo com aquele ambiente. Fiquei 1 mês, todas as tardes, observando e auxiliando cada um deles, com suas limitações. Não forcei nada. Os dois sempre pegavam a mochila e iam para a escola. Devia ter feito o contrário? Devia ter deixado chorar?? NÃO! E nunca vou fazê-lo. Muitas pessoas me olhavam torto por estar ali na escola, mas eu não me importava. Fiquei com eles  até perceberem o quão legal é vivenciar esta experiência, já que queriam ir a escola. Fifi em 2 semanas já estava enturmada e amando as atividades. Bê precisou um pouco mais de atenção, mas em quase 1 mês percebeu que não havia por quê temer,que eu sempre voltaria.


Vou estar sempre ao lado deles se eles precisarem. E não me arrependo de criá-los com apego! De "abrir mão" por eles!





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MundoBrasileiro